Faz tempo que não falo sobre (in)fertilidade aqui no blog. Apesar de ser um tema que escrevi muito pouco, por motivos pessoais e para manter minha privacidade, os posts ainda recebem comentários e geralmente de pessoas, que assim como eu, passaram pelo fantasma da notícia do “desculpaê, você não pode ter filho!“.

Como sinto que o maior dilema/problema/desespero é saber como sair da depressão da infertilidade, vou contar um pouquinho de como foi minha experiência. Obviamente, vou ter que sinalizar que cada pessoa passa por esses momentos de forma diferente e não tem metodologia para a situação se resolver sozinha.

PS: Nesse post que sobre o exame AMH, eu conto um pouquinho do que aconteceu com a gente, leiam lá.

Mas vamos as dicas de como sair da depressão da infertilidade, ou pelo meno, de como tentar sair dela (PS: desculpa meu lado “sarcástico em algumas situações”, quero que esse post tenha um pouco de humor):

Montanha Russa de Emoções

Antes de qualquer coisa, saiba que depois que você receber a notícia que não pode ter filhos naturalmente, o mundo vai despencar de uma só vez na sua cabeça! Não vai fácil lidar com tudo isso … na verdade, vai ser uma merda! (Desculpe o vocabulário).

Tendo isso em mente, e sabendo que não é só você que passa isso; tem algumas pessoas que optam para formas alternativas de reprodução, outras pessoas que não sabem o que fazer, e outras que optam por não fazer nenhum tratamento e seguir em frente. Eu e o Kiko estávamos entre as opções 2 e 3 …

Independente da sua situação, acredito que o próximo passo é …

Atitude Positiva

Sim, eu acredito que temos que ter sempre uma perspectiva positiva de tudo o que nos acontece. Se analisarmos tudo com clareza e deixarmos o tempo cuidar das feridas, até coisas ruins podem se transformar em experiência gratificantes.

Dito isso, tenha uma atitude de querer sair da tempestade que entrou. Eu sei, tem hora que é complicado sair do ciclo de tristeza e daquela mesmice do “porquê eu!“. Mas se você entrar nessa, e se deixar levar pela onda de infelicidade e do “ó dia … ó azar“, a cada dia tudo vai ficar pior e você colocará em risco sua saúde mental e física.

Isso não significa que você não possa chorar, ficar triste, se sentir culpada(o), ou qualquer coisa do gênero, pois mesmo que você não queira, a nuvenzinha cinza vai brotar em cima da sua cabeça de qualquer jeito. Mas se enfiar nessa crise, não rola! Tem que ser mais forte que isso… respira fundo e bola para frente!

Cumplicidade entre o Casal

A chance de um casamento ir por água abaixo depois de uma notícia como essa é gigante, especialmente se uma ou as duas partes não se ajudarem. Então, erga a cabeça, abrace seu parceiro e diga um para o outro: “Nós vamos sair dessa juntos! Vamos crescer juntos com essa experiência! Nós nos escolhemos como parceiros de vida para caminhar juntos sempre, nossa união é mais importante que qualquer outra coisa, inclusive sobre a questão do ter ou não ter filhos!”.

Minha experiência foi super dolorosa, mas eu nunca senti tanto amor pelo Kiko, quanto depois de tudo isso que passamos juntos. Não foi fácil, mas nossa cumplicidade só aumentou … então, tenha essa atitude de amor maior!

Procure ajuda profissional

Como a montanha russa de emoções nos deixa sem chão, muitas vezes, é complicado sair do ciclo sem ajuda de uma pessoa profissional. Nessas situações você pode procurar um terapeuta ou formas alternativas de medicina.

Eu optei por procurar uma especialista em acupuntura e as agulhinhas fizeram milagre. A cada sessão de espetada (risos), eu sentia meu balanço voltar ao normal e foi uma experiência incrível não somente o tratamento, como a chance de aprender a relaxar por alguns minutos do dia!

Descubra a melhor maneira para você e não se sinta super-herói de querer resolver tudo sozinho(a).

Nem sempre os amigos são os melhores terapeutas

Eu sei, a gente não é nada sem amigos e pessoas queridas por perto. Mas tenha em mente que nem sempre a ajuda dos amigos é bem-vinda nesse caso, especialmente se ele pensar de forma diferente da sua e te julgar.

Eu passei por momentos super complicados quando resolvi me abrir com uma amiga, ouvi até um “como assim você não vai fazer reprodução in vitro? Então você nunca quis ter filho de verdade!“. Pois é, minha cabeça que já estava fora do eixo, entrou em curto circuito depois de ouvir isso, eu não sabia se afogava a pessoa ou me jogava do precipício (risos). Mas consegui manter a compostura e dar aquela risadinha de “vou fingir que não ouvi isso!“.

Hoje eu sei que isso não significa que a pessoa não gosta de você ou nada do tipo, mas quem não é profissional, as vezes não sabe entender que em momentos que uma pessoa desabafa, não necessariamente ela quer ouvir uma opinião pessoal, mas simplesmente ela quer uma abraço de conforto, um sorriso do “estou aqui independente de qualquer coisa” e por aí vai …

É preciso lembrar que amigo(a) pensa sempre naquele negócio de “eu tenho que falar o que eu realmente penso, pois amigos é para essas coisas!“, e nessas horas de fundo do poço essa atitude não ajuda, na verdade só atrapalha e muito. Então, querendo falar com uma amiga, antes de pedir uma opinião, diga apenas que precisa desabafar e só quer abraço e não ajuda na decisão do que fazer, assim a amiga(o) já sabe como agir também e todo mundo fica feliz 😉 .

Nunca espere que as pessoas adivinhem o que e como você está se sentindo!

PS: o mesmo vale para membros da família!

Posso mandar pessoas que perguntam sobre filhos para PQP?

Se te fizer bem, pode! ahahahaha …

Estou brincando, respire fundo e tenha em mente que quem está te perguntando provavelmente não sabe do seu histórico ou simplesmente quer dar uma força. Raramente as pessoas querem te ferir com atitudes ou ações. Nesses momentos tem que colocar o “lado vítima” de lado e pensar com a razão e não com a emoção.

Então, se não se sentir a vontade em conversar com tal pessoa, diga apenas que está tudo bem e se alguma novidade acontecer, você avisa. E corta o assunto, sem lágrimas nos olhos ou no coração.

PS: Eu sei que é fácil falar, mas na hora H a coisa fica feia… mas como eu disse, estou tentando relatar o que eu passei e como fui aprendendo a lidar com cada situação! Você pode encontrar outros caminhos, siga-os desde que te faça melhor e sair desse emaranhado de sentimento estranho.

Evite eventos que te façam lembrar da infertilidade

Tenha na cabeça que durante algum tempo não vai ser fácil assistir filmes que apareçam mulheres grávidas, ou participar daquele chá de bebê, ou de qualquer coisa do tipo.

E sim, nessa fase, vai dar a impressão que o mundo resolveu só falar de filhos, que está todo mundo engravidando (até aquela amiga que não tem namorado e nunca quis ter filho) e assim por diante…

Mas de novo, pense de maneira positiva e inteligente, e saiba que não é o mundo que se voltou contra você, mas você que está com a antena ligada nesse assunto e isso é um saco …

Mas saiba …

Tempo … Tempo … Tempo …

O tempo cuida de tudo!!! E como eu disse no início desse texto, tendo uma atitude positiva o mundo vai voltar a lhe sorrir!

Eu demorei 2 anos para sair da montanha russa de sentimentos … mas hoje estou bem, tranquila com a decisão de não querer ter seguido em frente com formas alternativas de reprodução e seguindo a vida feliz e cheia de planos!

* Imagem da capa : shutterstock ID 632787080

===================================

Continue lendo:

Essa tal liberdade que me foi imposta…

Não posso ter filho, e agora?

Quer ter filhos em algum momento da sua vida? Já fez o exame AMH?

Não quero ter filhos … e daí?