Na semana passada, uma das notícias mais tristes que recebi esse ano veio pelo skype, quando meu contato de uma escolas de inglês que trabalho em Toronto, me comunicou que uma de suas estudantes tinha sofrido um acidente e estava em estado gravíssimo no hospital.

No domingo dia 19/Nov, a Aline estava correndo para o ponto de ônibus, quando escorregou, caiu, bateu a cabeça e desde então estava inconsciente e sobrevivendo somente com a ajuda dos aparelhos. Uma fatalidade que a gente custa a acreditar ser verdade ou que realmente pode acontecer com alguém.

Imediatamente me ofereci a ajudar na divulgação da “vaquinha” que a comunidade brasileira e a escola estavam fazendo para trazer para o Canadá a família (mãe e irmãs). O objetivo que juntar 10.000 dólares foi alcançado hoje depois que ficamos sabendo que a estudante faleceu no domingo a noite (26/Nov).

Durante a semana passada, contactei meus estudantes de intercâmbio que estão no Canadá ou chegando, e reinforcei a importância de redobrar a atenção durante a caminhada no inverno – a gente as vezes não se dá conta que gelo se formou na calçada e isso é um perigo! Dois dos meus estudantes, depois que os avisei sobre o ocorrido e pedindo cautela, descobriram que estudaram com a Aline… um choque para todos.

Fiquei muito comovida quando vários amigos, que assim como eu nem conheciam a Aline, contribuiram com a vaquinha. Uma senhora que nunca tinha visto, se prontificou a receber a família da estudante em sua casa, e como era enfermeira em Toronto, se colocou a disposição para ajudar com tradução e explicação dos trâmites. O consulado entrou em ação, empresas brasileiras também ajudaram muito e por aí vai … foi lindo ver que a comunidade se ajudando em momentos tristes como esse, apesar de alguns comentários bobos e infantis nas mídias sociais.

Eu estava muito triste a semana toda, pois quando a gente se dá conta, pensa que poderia ter sido com a gente ou com alguém próximo. Uma das minhas amigas que doaram, por exemplo, ajudou, pois perdeu uma sobrinha de forma parecida. Então, fatalidades como essa realmente acontecem.

Hoje, quando soube da morte, bateu um aperto ainda mais forte no peito, especialmente quando pensamos que aconteceu com uma menina tão nova, que tinha uma vida inteira pela frente, que estava realizando o sonho de estudar inglês no exterior e de repente, tudo termina assim, sem explicação … pois acidentes assim, nos deixam sem palavras.

Achei bonito que na nota final da família avisando sobre o falecimento, eles ressaltaram que a Aline irá doar seus orgãos e que de certa forma, ela permanecerá no Canadá em espírito.

Nesse momento, eu só desejo que a família e amigos próximos tenham muita força para seguir adiante.