Eu vivo falando que Toronto é um mar de rosas, que eu amo cada pedacinho da cidade e que eu adoro morar aqui! Mas a verdade é que tem vários pontos que eu gostaria de mudar, pois eu acredito que sempre pode ficar melhor.

Dessa forma, a plataforma política está aberta no Projeto Vida em TO e nós cinco (eu, Livi, Gaby, Mari e Carina) vamos falar sobre o tema: “3 mudanças que gostaria de fazer imediatamente se eu fosse prefeita de Toronto”.

Eu acho que esse tema vai ser muito legal, pois tenho certeza que vão abranger fatores diferentes, pois as mazelas da cidade sempre atinge cada cidadão de maneira diferente, então, leiam minhas colocações abaixo, mas não esqueçam de visitar o blog das outras meninas para ver a opinião delas também.

Se eu fosse prefeita de Toronto :

1- Remodelar o sistema de transporte

Sem dúvida, a primeira coisa que eu faria se eu fosse prefeita de Toronto seria sentar com o pessoal da engenharia de tráfego e criar um plano inteligente para deixar o fluxo das principais avenidas mais eficiente.

Se tem uma coisa irritante em Toronto é o trânsito, e sinceramente, não consigo entender como ruas como King St, Queen St, Yonge St. e tantas outras precisam ser de mão dupla… sério, as ruas são muito estreitas para isso e tudo fica entupido.

Ainda na questão de trânsito, eu faria a Gardiner Expressway subterrânea e criaria um jardim suspenso com pista de corrida, caminhada e bike … ia ficar lindo!

Nem vou comentar sobre o metrô para não dar uma de chatoncia! 🙂

gardiner expressway toronto

2- Melhor planejamento para os apartamentos em downtown

É fato que a cidade de Toronto precisa de mais apartamentos (condos) para suprir a demanda. Apesar dos valores estarem subindo, a procura continua grande e novos empreendimentos estão despontando a cada esquina. Tudo isso é lindo e mostra o quanto Toronto está evoluindo e se tornando a metrópole mais cool da América do Norte.

Porém, o que venho notando é que os novos mega empreendimentos estão sendo aprovados em lugares que não deveriam. Fico impressionada com a proximidade de um prédio do outro, muitas unidades vão se tornar insalubres (sem saber o que é luz do dia) quando o novo prédio subir. E aqueles apartamentos do lado da estrada (Gardiner)? Você quase janta com o pessoal quando passa de carro … sem noção.

Mas por outro lado… acho que esse é o preço de se tornar uma metrópole, não é mesmo? Só espero que a minha vista permaneça linda e pomposa do jeitinho que eu amo ahahaha (sim, eu moro em um apartamento em downtown).

Canada Day em Toronto

3- Fim das industrias no Waterfront

Eu AMO caminhar pelo waterfront de Toronto (o calçadão em frente ao Lago Ontário). A cada dia ele está mais bonito e mais lotado também (argh!), mas se tem uma coisa que eu acho incompreensível é ver fábricas ainda operando nesse local super prime!

Vamos começar com a casa do terror, ou vulgo, Canada Malting Building, sério, o que aquele prédio caindo aos pedaços está fazendo ali! Imagina se eles transformassem isso em um teatro, ou nunca casa de show ou até em um complexo de apartamentos? A vista que se tem de Toronto é maravilhosa e eterna… sério! É preciso fazer alguma coisa com esse espaço URGENTE.

Canada Malting por Wikipedia

Depois tem a fábrica de açucar, Redpath Sugar, entre o Harbour Square Park e o Sugar Beach, que é uma aberração. Tem coisa mais feia que aquilo? E o pior, ainda em operação!!! Ah gente … não pode, esse tipo de indústria tem que sair da cidade e ir para os arredores! [Veja a foto da Redpath nesse link].


Enfim … eu acredito que esse post, para quem não conhece Toronto, dever ter sido uma viagem, pois fui um tanto quanto específica nos nomes, mas se eu fosse prefeita de Toronto,pode ter certeza que essas iam ser minhas prioridades! Se eu ia arranjar dinheiro para tudo isso, aí é outra conversa ahahaha …

E você? Alguma idéia para melhorar nossa Toronto?

Leia também os artigos das outras meninas, que todo dia 15, escrevem sobre nossa Vida em TO:

Gabriela Ghisi: Gaby no Canadá
Livi Souza: Baianos no Polo Norte
Mariana Cimini: Virei Canadense
Carina Iani de Barros: Outside Brazil