Quando me mudei para Toronto, em Agosto de 2000, eu lembro que tinha várias coisinhas que eu achava estranha ou diferente… mas as pouco, meio que sem querer, alguns hábitos foram sendo adquiridos naturalmente e hoje, faz parte do meu dia a dia. E esse é o tema de agosto do projeto #VidaEmTo: “Costumes canadenses que eu adquiri”.

Vida em TO

Quem quiser eu fiz também um vídeo (naquele esquema amador) sobre o tema:

Costumes canadenses que eu adquiri:

Tirar sapato ao entrar em casa: acho que esse é o costume mais comum, e que a maioria, se não todos, os novos imigrantes adquirem rapidinho. Não somente por causa da sujeira que as botas de inverno causam, como também por questão higiênica… eu levo esse lema de tirar o sapato em todos os lugares que já morei!

O mais legal é que nas festas a gente faz a mesma coisa, o povo vai chegando e tirando o sapato… e no final, a gente se preocupa mais com a meia que vai usar que o sapato 🙂

Costumes canadenses

Exemplo de como fica a entrada de casa quando tem festinha 🙂

Jantar mais cedo: No Brasil geralmente jantava lá pelas 8pm, mas no Canadá, 6h30 já estamos sentadinhos a mesa…

Weather Network, meu melhor amigo: NUNCA eu saio de casa sem consultar o app ou o canal de TV da previsão do tempo, parece vicio… mas na verdade, é que a gente aprende esse costume na marra, pois se não consultarmos o homem do tempo, a gente pode se estrepar ao longo do dia, especialmente entre os meses de outubro e maio. [Confira o tempo mês a mês em Toronto].

E sim, clima é o assunto favorito de todos os canadenses em qualquer ambiente, do elevador as festas mais badaladas…  (risos).

Mikix no inverno

Curtindo o inverno…

Falar “sorry” ou “excuse” o tempo todo: as vezes eu me irrito com essa mania de canadense de pedir desculpa por qualquer coisa, até quando alguém faz algo para ele… mas vira e mexe, me pego fazendo o mesmo, o cara pisa no meu pé e eu falo “sorry”, ou vou ao mercado e antes de eu bater em alguém (sem querer), já vou falando “sorry” ou “excuse me” … caso para psiquiatria, eu sei! [Esse post do BuzzFeed, em inglês, sobre o tema é muito engraçado]

Canadian Problems

Atravessar em faixa de pedestre despreocupada: confesso que em downtown Toronto, eu fico um pouquinho mais esperta no momento de atravessar a rua em faixa de pedestre, só porque tem bastante turista dirigindo e prefiro não arriscar, mas de modo geral, é comum eu simplesmente atravessar sem me preocupar se vem vindo carro… um espírito meio suicida que a gente vai adquirindo.

Mas vamos combinar, o mundo deveria ser assim, né? Se existe faixa de pedestre, ela deve ser respeitada incondicionalmente!

Usar máquina de lavar louça todos os dias: aqui em casa a gente usa máquina de lavar louça todos os dias, mesmo que ela não esteja cheia, diferentemente do Brasil, que o pessoal usa somente quando tem festa ou coisa do tipo. Aqui somos eu e o Kiko, e eu só lavo na mão panelas e coisas de madeira, e a maioria dos meus amigos, até panela enfiam dentro da máquina…

E  TODA visita que recebo do Brasil, é a mesma ladainha… depois da refeição eles começam a lavar a louça na mão e eu digo: “não amiguinho, coloca na máquina!”… e me respondem: “mas tem tão pouca coisa”… e minha contra argumentação básica é: “se não colocar, nunca vai encher :)”…

Toda roupa é roupa: uma das coisas que mais amo em Toronto é a falta de necessidade de estar na moda, tida roupa é roupa e ninguém fica te medindo por estar usando a cor verde, se nas novelas estão usando vermelho! Eu acho essa falta de senso fashion, perfeito, e confesso que me adaptei facilmente a esse jeito e ser.

PS: Claro que nem todo mundo é assim, obviamente! Mas de maneira geral, qualquer roupa que você coloque, está ok! E a gente vê cada coisa… ahahah…

 

E acho que é isso … se eu lembrar de mais coisa, vou colocando aqui 😉

Leia também a história das outras meninas que participam do Projeto #VidaEmTO:

Caroline Xavier: Minha Neve e Cia
Gabriela Ghisi: Gaby no Canadá
Isabela Mascarenhas: Delineado Gatinho
Livi Souza: Baianos no Polo Norte
Mariana Cimini: Virei Canadense
Carina Iani de Barros: Outside Brazil