Tem coisas que acontecem com a gente, que parece mentira… e a historia do dia que congelei meu cabelo, foi um desses micos que (quase) todo imigrante passa!

Cabelo congelado no Canadá

Cabelo congelado!!! Foto da Kirstin!

Imagine a cena… Era dezembro do ano 2000, no meu primeiro inverno no Canadá! Depois de alguns meses em Toronto e já meio “acostumada” as temperaturas frias da estação, no dia anterior, deu em todos os jornais, radios e televisão que iríamos ter um dia de temperatura bem abaixo do programado, -23°C de temperatura real e -28°C de sensação térmica!!!

Dica 1: Não subestime o frio canadense…

Eu estava perambulando de emoção, afinal de contas, são raros os dias de temperaturas tão baixas em Toronto e eu ia ter a chance de vivenciar isso na pele… eu sei, imigrante novo tem desses lapsos de loucura! Sabe aquela ideia de “preciso engolir o país que adotei como meu a qualquer preço?” Pois é, hoje eu fujo de qualquer inverno rapidinho ahahah … mas enfim, no “grande dia”, logo cedo eu acordei, tomei meu banho e coloquei meu agasalho mais forte, cachecol, luva, gorro e sai de cabelo molhado na rua pra  ver como era a coisa do -28°C.

Dica 2: erro básico de todo visitante e/ou recém chegado no Canadá, ninguém sente frio no primeiro minuto no inverno, mas espera 5 minutos do lado de fora e a gente conversa! E para enfatizar o que sempre digo: Respeite o frio que tudo fica bem 😉

Saí na rua e nem achei tão frio… então resolvi continuar e pegar carta na caixa de correio que ficava há 1 quarteirão da minha casa (a pé, lógico!). Fui toda bela e formosa, me achando “A” canadense!!! No caminho eu sentia que estava frio, mas nada que eu não conseguisse caminhar 2 quarteirões, entende? Quando cheguei em casa e tirei o gorro, reparei que as pontas do meu cabelo estavam literalmente CONGELADAS!!! Comecei a ficar desesperada achando que fosse quebrar, lembro que peguei um pedacinho com muito cuidado e dobrei para ver o que acontecia…

Dica 3: … e foi então que aprendi que cabelo congela, mas não quebra!!!
Viu? Frio também é cultura

Leia também: [Contos de Imigrante] Quando “yes or no” não é o suficiente…